• Rafael Beibi

Cinco dicas de zabumba para iniciantes

Atualizado: 20 de jul. de 2020

Salve gente boa! Hoje trago cinco dicas de zabumba para inciantes, que vão desde a parte estrutural da zabumba até a parte musical. Se você comprou sua zabumba hoje e não sabe muito bem por onde começar, esse post e o vídeo abaixo vão te ajudar bastante. As dicas são:

  1. Como tocar as baquetas da zabumba (pirulito e bacalhau) sem tensionar a mão

  2. Como posicionar seu talabar ou correia

  3. Desmonte sua zabumba para conhecer melhor as possibilidades do seu instrumento

  4. Como estudar com o metrônomo

  5. Treine sua sensibilidade para ouvir os instrumentos e tocar junto com seus parceiros de banda


1. Como tocar as baquetas da zabumba (pirulito e bacalhau) sem tensionar a mão


É muito comum a gente tensionar a mão ou o braço quando a gente está começando a estudar zabumba, por isso é bom ficar atento à saúde da sua mão, sempre buscando se informar sobre alongamentos e aquecimentos para não se lesionar com a repetição dos estudos.

Uma dica legal é você se atentar para que sua mão não aperte muito a baqueta, achando o ponto de equilíbrio da baqueta através da observação da técnica da pinça (ver vídeo). Para você conquistar velocidade e precisão na técnica, é bom praticar sempre respeitando seus limites, aumentando a dificuldade e intensidade dos exercícios gradualmente. Se quer tocar rápido, pratique devagar primeiro. Parece paradoxal, mas eu garanto que funciona! Praticando devagar você ensina seu cérebro a executar aquele movimento ou ritmo específico, cria uma memória muscular e pronto: quando você menos espera você avança um passo na técnica. Então, observe sempre sua mão, seu braço e sua postura na hora de praticar e tocar, pois faz toda diferença no seu desempenho!


2. Como posicionar seu talabar ou correia


Assim como a posição das suas mãos ao segurar pirulito e bacalhau da zabumba, um talabar bem posicionado ajuda você a extrair o melhor de você e do instrumento. Observe se o talabar é confortável, afinal você vai ficar muitas horas tocando e se ele for ruim ou inadequado pra você, pode causar dor e desconforto ao estudar e tocar. A minha preferência pessoal é usar couro ou um tecido não muito sintético, pois conforme a gente sua ao tocar, acho mais confortável se o talabar "transpirar junto" com a gente. Dá uma olhada no vídeo que mostro como posicionar o talabar pra ele abraçar você e sua zabumba ;)

3. Desmonte sua zabumba para conhecer melhor as possibilidades do seu instrumento


Desmontar a sua zabumba é uma ótima forma de entender melhor como o instrumento funciona, onde ele pode produzir vibrações que atrapalham o som (principalmente para gravações em estúdio), como abafar, como limpar e fazer uma boa manutenção. Mas mesmo que não existissem todas essas vantagens, eu como bom cientista do cotidiano acho muito enriquecedor você simplesmente conhecer melhor esse instrumento, pois é através dele que você vai transmitir sua música, se comunicar com seus parceiros de banda e com o mundo, né? Mais pra frente eu vou fazer um post completão sobre afinação de zabumba e destrinchar ela pra você em fotos, texto e vídeo, maaas no vídeo de hoje já dei algumas dicas legais.


4. Como estudar com o metrônomo


Estudar zabumba com metrônomo é essencial para desenvolver a escuta musical e firmar a sua pulsação interna. Além dos metrônomos mecânico e digital, hoje existem várias opções de aplicativos bem legais pra celular e até sites (mas é legal se atentar para os sites pois nessa plataforma o desempenho vai depender da conexão da internet, e o metrônomo pode ficar bem instável... aí ele vai atrapalhar mais do que ajudar). O metrônomo pode ser um pouco incômodo no começo, pois nós humanos zabumbeiros, somos seres cheios de emoções que podem influenciar na nossa percepção de andamento do ritmo. Em um dia sonolento, a gente toca super lento achando que tá rápido, e vice-versa. Mas o metrônomo é um robô, e robôs (por enquanto) não tem emoções, então ele sempre vai te dar o andamento certo. Fique amigo do metrônomo, aprenda a tocar com ele, como ele fosse um agogô marcado o tempo pra você. Nessa perspectiva de tocar com o metrônomo como se ele fosse outro instrumento, ele ainda te ajuda a desenvolver a percepção do "tocar junto", ouvir o outro músico, pois como nosso estudo diário é muito individual, a gente ficando muito fechado na "bolha" do nosso instrumento. Por mais estranho que possa parecer, acredite, às vezes a gente liga o automático e começa a tocar sem ouvir o outro com atenção, todo músico já passou por isso. Ali no vídeo eu te mostro alguns andamentos base pra estudar xote, forró e arrastapé (mas, no começo, pode estudar mais lento do que os andamentos sugeridos).


5. Treine sua sensibilidade para ouvir os instrumentos e tocar junto com seus parceiros de banda


Olha aí, acabei de falar disso no tópico sobre o metrônomo, pra você ver o quanto isso é importante. Depois de treinar bastante em casa, você não vê a hora de subir no palco e marretar sua zabumba pra todo mundo ver que seus estudos aqui no Zabumblog (olha o merchan hahahah) estão rendendo altas evoluções! Mas sempre esteja atento pra tocar o que a música pede, e pra isso é importante ouvir como todos os outros instrumentos estão contribuindo para esse som que tem que soar junto e com a mesma intenção. No vídeo, dei o exemplo do contrabaixo, que deve ser um amigão da zabumba, pois ele vai estar pulsando na região grave da música com você, potencializando sua intenção de tempo fraco e forte. Então dá uma olhada no vídeo e me fala conta suas percepções!


Fico por aqui hoje, espero que as dicas te ajudem a ser um zabumbeiro e um músico melhor, e qualquer coisa comenta lá no vídeo pra gente trocar mais ideia! Grande abraço e BORA TOCAR ZABUMBA!!






142 visualizações